Como deve Bashir ser enterrado

A contracultura cristã
09/03/2009
Relatório do seminário sobre a criação do livro para registro das línguas brasileiras
09/03/2009

Como deve Bashir ser enterrado

Tradução – Catarine Conti

Tahir entrou num estado de choque total. O gemido de sua esposa chegou aos seus ouvidos, mas ele não tinha como respondê-la, ou mesmo olhar para a tranqüila face de seu amado filho único, Bashir.

Que alegria o bebê de oito meses havia sido para toda a família! Bashir era o primeiro neto dos pais de Tahir. Como poderia algum deles supor que esta alegria iria durar tão pouco tempo? Há apenas três dias, a criança começou a apresentar diarréia. Seus movimentos intestinais e vômitos eram incontroláveis. Bashir faleceu nas primeiras horas desta manhã.

Tahir foi finalmente despertado de seu estado de choque quando seu pai falou: “nós devemos começar os preparativos para o funeral. Devemos chamar o Imam (líder religioso islâmico local) e enviar algumas pessoas para cavar o túmulo no cemitério. Bashir deve descansar junto com a outra avó”.

Tahir está diante de um problema que nunca havia tido antes. Ele e sua esposa, muito recentemente, se tornaram seguidores de Hazrat Isa (Jesus Cristo). Seria correto eles enterrarem o filho na antiga maneira islâmica? Eles deveriam orar para Namaz-e-Janaza (reza fúnebre do muçulmano) sobre seu corpo? Se não, o que eles deveriam fazer? Como as pessoas seguidoras de Hazrat Isa – “paz seja sobre ele” – enterram seus mortos?

Tahir deseja fortemente falar com Maulana Ahmed Ali. Mas, hoje é segunda-feira, e o Maulana (Mestre) só poderia vir na sexta. O enterro deve ser feito hoje e seu pai espera por uma resposta.

“Por favor seja paciente comigo, pai”, disse Tahir. “Estou muito abatido”. Dê-me um momento para eu pensar”. Seu pai acenou em concordância e se retirou.

À medida em que Tahir o via se afastar, a situação tomava um âmbito cada vez maior dentro de si. Seus pais ainda não estavam cientes de sua decisão em seguir o caminho de Isa. Ele ainda não havia contado para eles sobre o decisivo dia, quatro meses antes, quando um mestre cujo nome era Ahmed Ali, havia ido à sua loja. O Maulana estava passeando e parou para comprar alguns doces. Ele sentou em um banco na frente do pórtico da loja e começou a comer. Era um dia quente, então Tahir o serviu um copo de água para beber.

Ahmed Ali começou a conversar com Tahir. Ele perguntou a Tahir se ele orava cinco vezes ao dia, o qual respondeu, sem muita firmeza, que sim. Então, o Maulana o perguntou se ele estava interessado em aprender a orar de forma a obter respostas para suas orações. Isso interessou a Tahir, então Ahmed Ali o convidou a estar na casa de Aminur Rehman na próxima sexta-feira, quando eles estariam discutindo a importância de orar cinco vezes e como obter respostas.

Tahir era o único dono da loja, e qualquer coisa que orasse, era para que ganhasse mais dinheiro em seu negócio. Desde então, como qualquer comerciante, ele fechava seu comércio nas sextas e decidiu ir à casa de Aminur Rehman para aprender sobre respostas para as orações. Estando lá, Tahir descobriu que o Maulana tinha muitas novas coisas pra ensinar, não só sobre oração, mas sobre outras coisas. Ele falava muito sobre Allah e seu amor pelo ser humano. Então o mestre citou Hazrat Isa. Este Isa (Cristo) é a Palavra de Allah, disse o mestre. Tahir ficou surpreso quando o mestre provou isto a partir do Qu’ran (Koran). Ele explicou que Isa é a exata revelação de Allah, e que ninguém poderia se achegar a Allah, exceto através de Hazrat Isa.

O mestre também os mostrou o Injil Sharif (Novo Testamento da Bíblia). Era tudo inacreditável a Tahir. Porém, ele e Aminur Rehman concordaram que em cada namaz (oração litúrgica) eles orariam a Allah em o nome de Isa Masih (Messias Jesus), como o Maulana os havia ensinado.

Por uma semana, de fato, Tahir fez exatamente aquilo. Ele orava a Allah cinco vezes ao dia em nome de Hazrat Isa. Seguro
o suficiente, suas vendas aumentaram bastante quando mais e mais pessoas vinham à sua loja. A inveja de outros comerciantes apenas servia para deixar seu sucesso mais saboroso.

Grato, Tahir continuou regularmente a freqüentar a casa de Aminur Rehman toda sexta-feira. Tahir estava impressionado com o conhecimento do Maulana sobre a religião. A cada vez ele aprendia mais sobre Hazrat Isa. O mestre ensinou que Hazrat Isa realmente havia morrido na cruz. Isso foi muito difícil para Tahir entender. Ele sempre escutou que Jesus nunca havia morrido crucificado, que quando Ele ia ser pego pelos judeus, Allah milagrosamente o havia livrado. O Islamismo afirma que a crucificação ocorreu, mas que o homem crucificado não fora Jesus. Era outro homem que aconteceu de ser parecido com Jesus.

Contudo, Maulana Ahmed Ali insistiu a Tahir que Isa foi quem havia sido crucificado, e por ele ter morrido foi que a humanidade pôde ser redimida de seus pecados. Tahir ficou profundamente impressionado quando o mestre mostrou no Qu’ran que Jesus havia predito sua própria morte e ressurreição (Maryam, cap. 19). Quando o mestre perguntou a Tahir se ele acreditava que Isa é o caminho, a verdade, e o sacrifício pelo pecado, Tahir refletiu sobre a forma como suas orações vinham sendo respondidas e então afirmou que acreditava.

A esposa de Tahir, Amina, e a esposa de Aminur Rehman, Rukhsana, começaram a ouvir os ensinamentos do Maulana. Elas se escondiam no outro lado dos bambus que as separavam da sala onde estavam sentados os homens.

Após cerca de dez reuniões de sexta-feira, os dois homens e suas esposas decidiram se tornar seguidores de Hazrat Isa. Eles se submeteram ao batismo. Maulana Ahmed Ali assim o fez aos dois homens, e estes às suas respectivas esposas.

Então, como um relâmpago do céu, uma catástrofe golpeou Tahir e sua esposa, quando seu único filho, Bashir, faleceu. O que teria acontecido com as orações feitas a Allah, em nome de Hazrat Isa pelo bem-estar de sua família? Seu mestre, Ahmed Ali prometeu que elas seriam escutadas e respondidas.

Tahir refletiu sobre estas coisas nesta manhã, porém, ele lembrou de outro ensinamento do Maulana. É a história de Hazrat Ayub (Jó). O mestre havia explicado que mesmo em tempo de catástrofes, Allah permanece presente através de seu espírito. Como que estes dois ensinamentos se ajustam? Tahir não estava apenas angustiado, ele estava também muito confuso. Pois só havia o mestre ali para ensinar isto a ele.

A voz de seu pai na outra parte da casa trouxe Tahir de volta ao problema que ele estava encarando naquele momento: Como Bashir deveria ser enterrado? Se eles quisessem fazê-lo da maneira Cristã, o Maulana deveria estar presente? Se o Imam (islâmico) fizesse isso, as orações iriam a Allah no nome de Maomé. Tahir havia prometido ao Maulana que suas orações seriam feitas sempre em nome de Hazrat Isa.

Lembrar do líder islâmico local deixava Tahir ansioso. O que ele iria dizer ao Imam? Nesta hora, a revelação da nova fé de Tahir poderia trazer resultados desastrosos. O Imam provavelmente iria recusar enterrar Bashir. A vizinhança poderia decidir se afastar de toda a família de Tahir. Seu pai, que estava já velho e fraco, poderia até ter um choque e morrer se Tahir revelasse seu desligamento ao islamismo para seguir o verdadeiro caminho que o levava a Allah. Até os casamentos de suas irmãs, que estavam próximos, poderiam estar em risco. Se as pessoas descobrissem que Tahir trocara de religião, os pais não iriam mais aceitar que seus filhos se casassem com suas irmãs.

Tahir sentou apoiando sua cabeça em suas mãos e se preparou para enfrentar aquele momento. O que Tahir iria falar para seu pai?
Paul Et Francis Hiebert

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.